Rio Operations Center: Readiness is All

When C40 City Rio de Janeiro took stock of risks and challenges -- from extreme weather, to traffic congestion, to upcoming mega-events such as Rio+20, it decided to create the Operations Center in the service of Cariocas (the citizens of Rio de Janeiro). Built in record time and located in the central zone of the city, Rio City Hall’s Operations Center was launched in December 2010, and remains one of the most cutting-edge centers of its kind in the world.

Photo credit: The City of Rio de Janeiro.May 3 Post Sala De Controle

Integration of information in real-time is the main function of the Operations Center, allowing decisions to be based on the best data, and carried out across all City departments. In this way, highly-skilled operators are able to anticipate natural disasters such as landslides, and alert affected communities; as well as to improve the response time to any sudden occurrence in the city, such as accidents and fires.

Every day, approximately 600 employees (divided into three shifts) work with representatives from 30 agencies responsible for issues such as traffic, public transport, weather forecasting, civil defense. The Center never closes, monitoring the city 24 hours a day, seven days a week. The Control Room includes the largest screen in Latin America, consisting of 80 46-inch monitors that display the city’s everyday routine via cameras and other technological systems. Indeed, the Operations Center receives images from more than 800 City Hall cameras, the Police and other agencies.

A benchmark in global technology, the Center also contains a modern internal georeference system pertaining to the main services provided by the City. “The major traffic issues and the city works are some of the items we map. The operator simply looks at the screen to identify anything unusual in the routine of the city”, explains Savio Franco, the Executive Chief of Operations.

Another important feature of the Operations Center is the Crisis Room. During emergencies, Mayor Eduardo Paes gathers his secretaries and other relevant individuals to discuss immediate solutions to problems. Today, the Operations Center is one of the first public facilities to be concluded ahead of time in the run up to Rio+20 , the 2014 FIFA World Cup and the 2016 Olympic Games -- three of the many mega-events that the City of Rio de Janeiro will host in the coming years.

Natural disasters are a daily concern at the Operations Center, in light of more extreme weather experienced in recent years. To combat this, Rio City Hall purchased a weather radar that covers a 250 kilometer area around the city, making Rio the only city in Brazil to own such advanced equipment. Meteorologists also count on an advanced mathematical model developed exclusively by IBM for the city of Rio de Janeiro. Daily weather briefings are gathered by an expert meteorological team at the Control Room and all relevant information collected at the Operations Center is immediately broadcast to Rio’s citizens via the media (who are present in a press area with a view of the Control Room) and social networks 24 hours a day.

Based on this forecast, the Operations Center can also trigger sirens installed by the City Hall in areas at risk from landslides, allowing the residents who live in those areas to find shelter at municipal support locations during the rains. As such, the Operations Center is not only responsible for the day-to-day running of the city, but also for saving lives.

To learn more about the Operations Center, please watch this YouTube video.

Centro de Operações Rio: Prontidão é Tudo

Quando o Rio de Janeiro, uma cidade participante da Rede C40, tomou ciência dos riscos e desafios – desde condições meteorológicas extremas até congestionamentos, e com a proximidade dos mega eventos, como a Rio+20, a prefeitura decidiu criar o Centro de Operações para servir os cariocas (moradores do Rio de Janeiro). Erguido em tempo recorde e situado na região central da cidade, o Centro de Operações da Prefeitura do Rio foi inaugurado em dezembro de 2010 e até hoje é tido como um dos centros mais modernos do mundo.

Informação integrada em tempo real é a principal ferramenta do Centro de Operações, permitindo que as decisões, baseadas nos melhores dados, sejam rapidamente tomadas por todos os órgãos da cidade envolvidos. Dessa maneira, operadores altamente qualificados são capazes de antecipar desastres naturais, como deslizamentos, e alertar comunidades em áreas de risco; bem como melhorar o tempo de resposta para qualquer ocorrência que afetar a cidade, como acidentes e incêndios.

Diariamente, cerca de 600 funcionários, divididos em três turnos, trabalham no local que concentra 30 órgãos responsáveis por questões como trânsito, transporte público, previsão de tempo, defesa civil etc. A central nunca fecha, pois monitora a cidade 24 horas por dia, 7 dias por semana. Na Sala de Controle está situado o maior telão da América Latina, formado por 80 monitores de 46 polegadas, que transmitem a rotina diária da cidade através de câmeras e outros sistemas tecnológicos. De fato, o Centro de Operações recebe imagens de mais de 800 câmeras da prefeitura, Polícia Militar e outros órgãos.

Referência tecnológica, o espaço também conta com um moderno sistema interno de georreferenciamento dos principais serviços prestados pela cidade. “As principais ocorrências de trânsito e as obras nas vias são alguns dos itens mapeados. Portanto, basta o operador olhar para o telão para identificar qualquer anormalidade na rotina da cidade”, explica o chefe executivo de operações, Sávio Franco.

Outro importante espaço do Centro de Operações é a Sala de Crise. Em momentos de emergência, é lá que o prefeito Eduardo Paes se reúne com secretários e demais envolvidos para discutir soluções imediatas para os problemas enfrentados. Hoje, o Centro de Operações é um dos primeiros equipamentos públicos concluídos com antecedência para o Rio+20, a Copa do Mundo 2014, e os Jogos Olímpicos de 2016, três dos principais eventos que a cidade sediará nos próximos anos.

Os desastres naturais são uma preocupação diária no Centro de Operações, à luz das condições climáticas extremas que vêm ocorrendo nos últimos anos. Para combater isso, a Prefeitura do Rio adquiriu um radar meteorológico com um raio de alcance de 250 km, tornando-se a única cidade do país a contar com um equipamento próprio dessa magnitude. Os meteorologistas também contam com um avançado modelo matemático para previsão do tempo, desenvolvido pela IBM exclusivamente para a cidade do Rio. Com isso, diariamente são realizados dois briefings meteorológicos na Sala de Controle comandados por profissionais especializados e todas as informações são imediatamente repassadas aos cidadãos cariocas por meio dos jornalistas, presentes 24 horas por dia numa sala de imprensa com visão privilegiada para a Sala de Controle, e também pelas redes sociais.

Com base nessa previsão, o Centro de Operações também pode acionar sirenes instaladas pela prefeitura em áreas onde há risco de deslizamento de encostas, permitindo aos moradores que se abriguem nos pontos de apoio durante as chuvas. É assim que o Centro de Operações consegue não apenas melhorar a operação do dia-a-dia da cidade, mas também salvar vidas.